Os espíritos do espiritismo são de Deus?

1 Jo 4 : 6 Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro.

Leitor:
“Meus irmãos uma coisa que eu percebi foi todos dizerem que os espiritos são demónios, Paulo de tarso disse para obersevarmos se o espirito vem de Deus ou não, bom se todos os espiritos são demónios então qual seria o sentido dos demonios falar o nome de Jesus? no livro dos espiritos Allan Kardec pergunta “Qual é o nosso modelo e guia” a resposta vem “Jesus”, ora qual é afinal objetivo desses demonios? será que eles(demónios) se preocuparia em envagelizar? será que eles se preoculpariam em dizer perdoai até o nossos inimigos? Será que o demonios diria fora da caridade não ha salvação? pois bem meus amados através disso vemos que o espiritismo é unica religião que consegue converter o mal para o bem….enquanto que até hoje nenhuma conseguiu…Então não é através de um espirito inferior que todos os espiritos serão condenados não é mesmo? …”

Mensagem:
Maravilhoso esse comentário. Primeiro é que todos os espíritos não são demônios, existe um maravilho e doce Espírito Santo de Deus. E anjos de Deus algumas vezes são tratados como espíritos (entes espirituais). Quanto as outras perguntas, interessantíssimas, as respostas são:

SIM! Fariam e diriam. Aliás, fazem e dizem.  Continuar lendo

Anúncios

“Fora da caridade não há salvação”, será mesmo?

E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.” (1 Coríntios 13:3)

Amados, o título deste texto, é uma das máximas do Espiritismo segundo Allan Kardec. Esta, como muitas outras doutrinas, tem o intuito de racionalizar e trazer para o campo da filosofia, aquilo que é religioso, aquilo que é de Deus, e que somente nos é revelado conforme o Senhor nos permita entender, conforme inspiração e esclarecimento do seu Espírito Santo. Mas enfim, é claro que o assunto salvação não é uma filosofia.

A doutrina espírita declara ser firmada num tripé, e seriam cada um destes a ciência, filosofia e religião. Quanto a parte religiosa, declara ser Cristã, seguindo os ensinamentos do “mestre”, porém consertando o que Ele disse com a ajuda dos espíritos, declarando que as pessoas naquela época não tinham o devido avanço intelectual para entender o que verdadeiramente Ele queria dizer, por isto a utilização de parábolas.

Engraçado isso, porque a parábola não é uma maneira de complicar, e sim de facilitar, utilizando as questões da época para explicar aquilo proposto. Hoje sim, dificulta para nós entender as parábolas por não entender muito bem como as coisas funcionavam naquele tempo. Na verdade, o que os espíritas não entendem, é o mesmo que Nicodemos. Mas abordaremos isso mais a frente.

Agora que já demos uma breve explanação sobre a base que sustenta a doutrina espírita, vamos entender o seu grande jargão, e ver se é realmente cristão ou não, ou seja, será que realmente fora da caridade não há salvação?

Continuar lendo