O homem de fé que, por um pouco, afundou

Palavra:

Se és tu, Senhor, manda-me ir ter contigo, por sobre as águas. E ele disse: Vem! E Pedro, descendo do barco, andou por sobre as águas e foi ter com Jesus. Reparando, porém, na força do vento, teve medo; e, começando a submergir, gritou: Salva-me, Senhor! E, prontamente, Jesus, estendendo a mão, tomou-o e lhe disse: Homem de pequena fé, por que duvidaste? Subindo ambos para o barco, cessou o vento.” (Mateus 14: 28b-32)

Oração:

Esta, assim como toda palavra do Senhor Jesus, tem de trazer vida aos nossos corações, atitudes, e também conforto. Meu pedido é que assim como o Senhor falou ao meu coração, Ele possa também falar ao seu, e que seja abençoado por esta mensagem de fé, em nome de Jesus.

Mensagem:

Amados, como é bom viver as experiências que o Senhor tem nos reservado. Muitas vezes, observamos algumas semelhanças com as experiências que vivemos no mundo, como passar por dificuldades mas também obter vitórias ou escapar de algumas furadas, mas as experiências com o Senhor nos faz crescer, nos leva a um patamar mais alto espiritualmente, cuja principal função, é nós transmitir autoridade para pisar serpente e escorpioes, abençoar e sermos abençoados.

Nesta mensagem vamos falar sobre a experiência de Pedro relatada na bíblia, e vamos deixar também o Espírito do Senhor falar aos nossos corações. Se você já passou por uma situação semelhante, está passando, ou deseja passar, quero lhe dizer que neste momento estamos na margem oriental do lago, rumo a Betsaida, ao lado ocidental, e temos grandes momentos para viver na presença do Senhor, o barco está pronto, é só você entrar.

Continuar lendo

“Fora da caridade não há salvação”, será mesmo?

E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres e ainda que entregue o meu próprio corpo para ser queimado, se não tiver amor, nada disso me aproveitará.” (1 Coríntios 13:3)

Amados, o título deste texto, é uma das máximas do Espiritismo segundo Allan Kardec. Esta, como muitas outras doutrinas, tem o intuito de racionalizar e trazer para o campo da filosofia, aquilo que é religioso, aquilo que é de Deus, e que somente nos é revelado conforme o Senhor nos permita entender, conforme inspiração e esclarecimento do seu Espírito Santo. Mas enfim, é claro que o assunto salvação não é uma filosofia.

A doutrina espírita declara ser firmada num tripé, e seriam cada um destes a ciência, filosofia e religião. Quanto a parte religiosa, declara ser Cristã, seguindo os ensinamentos do “mestre”, porém consertando o que Ele disse com a ajuda dos espíritos, declarando que as pessoas naquela época não tinham o devido avanço intelectual para entender o que verdadeiramente Ele queria dizer, por isto a utilização de parábolas.

Engraçado isso, porque a parábola não é uma maneira de complicar, e sim de facilitar, utilizando as questões da época para explicar aquilo proposto. Hoje sim, dificulta para nós entender as parábolas por não entender muito bem como as coisas funcionavam naquele tempo. Na verdade, o que os espíritas não entendem, é o mesmo que Nicodemos. Mas abordaremos isso mais a frente.

Agora que já demos uma breve explanação sobre a base que sustenta a doutrina espírita, vamos entender o seu grande jargão, e ver se é realmente cristão ou não, ou seja, será que realmente fora da caridade não há salvação?

Continuar lendo

Ansiede? Eu quero é sede!

Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças. (Fp 4:6)

Hoje, em nossas vidas, sofrendo influência sobre o pecado que entrou no mundo, aprendemos a viver o que chamamos de ansiedade. Nossos primeiros ancestrais conheceram o que era viver na presença de Deus, poder desfrutar de tudo que havia nessa terra, no momento que quisesse, na hora que quisesse. Porém, na busca do conhecimento, perdemos a nossa liberdade, e passamos a ser escravos do pecado, que entrou no mundo. Com o advento de Cristo, passamos a ser livres do pecado, se sujeitos a esta aliança, mas com nossa liberdade comprometida ao nosso intermediador, Cristo Jesus. Passamos a ser dependentes de Deus, livres para seguir em dependência ao Senhor.

Mas como não somos mais deste mundo, mas permanecemos neste, a nossa carne age dia e noite, atentando nossa alma, em busca de dizer que a satisfação de nossa alma está justamente em cumprir os prazeres que este mundo oferece. Ao mesmo tempo, o Espírito de Deus está sempre nos testificando aonde está a nossa verdadeira paz.

Continuar lendo