A injusta justiça de Deus

Dizem que algo é senso comum, e este algo é: Deus é misericordioso, mas justo, nem para todos.

“Do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai, e não me vereis mais; do juízo, porque o príncipe deste mundo já está julgado.” (João 16:9-11)
“O julgamento é este: que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más.” (João 3:19)

Visto assim, ainda bem que o senso comum é de que Deus é misericordioso, porque a misericórdia está acima da justiça assim como o Senhor está acima de seu servo, ou como Deus está acima de nós homens. A misericórdia de Deus demonstra o amor maravilhoso que tem por nós e que não conseguimos entender. O homem erra e peca, e continua pecando quando procura um culpado para as consequências de seus erros, e a única coisa que sabe é olhar para o lado e apontar um culpado, e quando não consegue, tenta olhar para cima e culpar Deus, agora me pergunto, porque não se olha no espelho e encontra o culpado?

Deus criou um lugar perfeito, na verdade, para não fugir da descrição correta, um lugar de de delícias, de prazer para o homem, onde não havia dores ou sofrimentos, mas prazer. Porém plantou no meio deste jardim a árvore do conhecimento do bem e do mal, como também a árvore da vida.

Para compreendermos adequadamente a respeito da árvore do conhecimento do bem e do mal, convém levar em conta, em primeiro lugar, o costume hebraico de abarcar uma totalidade mencionando unicamente dois termos extremos e opostos entre si. Esta frase não se refere unica e exclusivamente ao conhecimento intelectual em si, mas pode também incluir conceitos de escolha, discernimento, e até mesmo, domínio. Portanto, conhecer o bem e o mal equivale a decidir por conta própria e com absoluta independência o que é bom e o que é mau, ou seja, possuir plena autonômia no âmbito moral. Isto nos ajuda a esclarecer uma dúvida comum: Se Deus nos deu a inteligência, a nossa parte racional, por que então dizer que o conhecimento deste mundo nos afasta de presença de Deus?

Bem, Deus nos fez inteligentes e quis sim que pensássemos, usassemos disso, porém com relação a moral, sempre devemos ser dependentes do Senhor. Quando homens hoje se firmam em seus conhecimentos, nesta busca, eles se desligam de Deus, e isso os afasta do Senhor, e então tem que usar deste conhecimento e fazer suas escolhas, chamamos isso de livre arbítrio. Não é de espantar que o homem erre, e como erra, e então temos consequências disso. Muito melhor é ao homem depender do Senhor e viver a plenitude do prazer que Ele tem para nós. Voltar a comer da árvore da vida, visto que fomos afastados dela ao pecarmos e ao escolhermos a dor, o sofrimento e a morte em consequência de nossas attitudes erradas. Seguimos e obedecemos a Deus e então temos a certeza da escolha certa, e consequentemente, usufruimos das delícias e prazeres que vem a nós em consequência desta obediência, que aqui já conseguimos ver uma visão diferente da que temos de pai, onde muitas vezes enxergam como uma birra em querer que façam aquilo que sua experiência limitada diz ser certa, já a do Pai, plena e de paz.

Mas voltando ao que discorríamos, Adão escolheu errar, desobedecer, e o pecado entrou no mundo, fruto da desobediência, ele viveu a escolha dele, e os seus filhos tiveram que viver essa desobediência. A raiz do pecado então estava no homem, é claro, porque isto é decorrência natural da escolha do homem, que passou a ter perante a moral. Quando uma mulher erra e fuma durante uma gravidez, seus filhos vão viver as consequências disso, e não tem porque culpar a Deus por isso. Deus deu a vida, para ter prazer, mas também deu a escolha, e os princípios estabelecidos são plenamente respeitados. Então o filho nasce defeituoso, e vem perguntar pela justiça de Deus? A culpa foi de Deus? A culpa e o erro estão nos homens, e deveriam olhar para os filhos que nascem de mulheres que fumam como normais, plena misericórdia do Senhor, que como disse, está acima da justiça, por enquanto…

Mas a bíblia diz que o Senhor não faz acepção de pessoas, então como explicar a misericórdia sobre um, e a falta dela sobre outra? Na verdade, a misericórdia está sobre nós, e se renova a cada manhã, de maneiras distintas, mas forçando este foco, bem, se a misericórdia está acima da justiça, ela não é uma falta, e sim uma dádiva a quem recebeu. Porém, Deus diz que não faz acepção quanto a salvação, quanto ao porvir, quanto aquilo que Ele mais uma vez separou para nós, uma nova Jerusalém. Agora quanto a obra, Deus tem diferente na vida de cada pessoa. Deus fez homens únicos, e então já vemos que há diferenças, e ao invés de dizermos diferente, porque não belo em tudo isso?

A bíblia diz que Deus não dá uma cruz maior do que tens condição de suportar, da mesma maneira, se homens vivem situações diferentes, Deus mais uma vez, mais que justo, é misericordioso em fazer uma estrutura diferenciada para suportar. Porque a justiça dos homens é tão diferente da justiça de Deus, visto que os homens só podem entender de justiça (ímpios), aquilo que conhecem e entendem. Mas Deus é muito mais vasto e amplo do que conhecemos e pensamos.

Vamos aumentar um pouquinho o quadro e vamos pensar no exemplo a seguir. Achamos injusto uma pessoa nascer e morrer após o parto, um bebê, ou uma criança que nasceu e morreu com apenas 4 anos. Quanta injustiça… Será mesmo? Ou não sera justiça? Quem sabe ainda misericórdia? Se pensarmos que existe uma eternidade nos céus, em uma nova terra, sem dor nem martírio, eu acredito que estas crianças se deram muito de bem! Me desculpe a forma coloquial de dizer. Porque o reino dos céus são das crianças, e estas não conheceram a lei nem moisés para julgá-las, então já estão mais que salvas.

E agora? Eu tenho muitas perguntas! Querido, para cada pergunta, Deus tem uma resposta, e cabe a Ele responder, mas eu gostaria de utilizar de um testemunho para refletirmos um pouco mais profundo de perguntas tão triviais.

Existiu um garoto Australiano chamado Nick Vujicic que nasceu em 1982 sem pernas e sem braços. Nasceu não só perante a injustiça de não ter os membros inferiores como ainda ter sido o filho primogênito de um irmão e uma irmã normais e saudáveis. Este rapaz sobreviveu e cresceu conforme a graça do Senhor. Porém sempre sofreu muito com isso, e procurava explicação para onde estaria a justiça de Deus. Então vamos parar por aqui e pensar como Deus seria injusto com tudo isto… parece ter sentido. Porém um certo dia, este rapaz alcançou a palavra sagrada de Deus, e entregou sua vida a Jesus depois de ler o capítulo 9 de João. Você também pode ler se quiser. Dali para frente, entendeu que a vida dele existia e tinha sentido para que a glória de Deus fosse manifesta ao mundo. (Qual é o sentido da sua vida?) Dali em diante passou a pregar este novo Deus que dara vida para ele. Este rapaz passou a pregar a milhares de pessoas. Pessoas passaram a aceitar a este Jesus e terem suas vidas transformadas. Hoje não sei se este rapaz foi curado, eu creio que sim, porque será uma nota etapa de glória para o Senhor, se não chegou, chegará. Mas mesmo se não chegar, existe milagre maior do que curar? Sim, e este milagre é a pessoa viver a plenitude de seu ser, sem alcançar aquilo que os homens julgam necessários para este fim. Mas Deus passou a falar muito mais através da vida daquele rapaz. Ele mostrou que muitos homens nesta terra cheio de saúde, riquezas, dinheiro, prosperidade, com todos os seus membros, tudo isto, só serviam para pecar e desonrar ao Senhor, para ter uma vida vazia, frustrada, com alegrias efêmeras, onde cada dia, era necessário viver algo novo e surpreendente para vencer a própria solidão da alma. Este rapaz não tinha nada disso, mais vivia uma paz que a bíblia retrata como aquela que excede a todo o entendimento, todo.

Quem é o privilegiado agora? Você que busca respostas? Ou este mesmo rapaz que tem esta resposta em seu coração, e é suficiente para levar uma vida glorificando ao Senhor Deus, a sua justiça e a sua misericórdia são muito maiores que o homem podem achar, viver, ou entender.

Jesus Cristo disse que veio como a luz do mundo, a fim de que todo aquele que crê nele não permaneça em trevas, mas que se convertãm e vivam a plenitude da luz do Senhor, que é vida. Porém ele diz que se alguém ouvir as palavras dEle e não as guardar, Ele não o julgará. porque Ele não veio para julgar o mundo, e sim para salvá-lo. Diz ainda que aquele que O rejeita e não recebe suas palavras tem quem o julgue. A própria palavra que ele proferiu, essa o julgará no último dia. Assim disse aquele a quem muitos chamam de mestre. Existem três grupos aí citados, onde dois ficaram claros o resultado, a salvação e a perdição. O grupo que ficou em cima do muro, não sabemos o resultado, pelo menos não neste trecho, e com certeza é muito arriscado.

Por um homem, chamado Adão, o pecado entrou no mundo e houve morte. Mas Deus, resolveu não só ser justo, porque o juízo de Deus como diz em sua palavra já está decretado, pois o príncipe deste mundo já está julgado. 

Entenda bem, o homem gosta de pensar em si mesmo como o centro do universo, que tudo gira em torno de seu umbigo. Os homens são criaturas de Deus, e se convier ao Deus acabar com esta raça, e fazer outra, nada mudará. O centro está em Deus, e não nos homens… Mas resolveu ser misericordioso, e concedeu ao mundo um segundo Adão, a saber Jesus, para que? Para não passar por cima dos princípios. A justiça já estava decretada, mas resolveu nos conceder um advogado, e olha, um advogado que paga preço, e preço de sangue. Enquanto não era convertido, havia algo na bíblia que muito me chamava a atenção e não sabia explicar. Se Jesus era mestre, para que Ele havia de padecer nas mãos dos homens de tal maneira. Se Ele tivesse simplesmente subido aos céus, desaparecido, ou qualquer coisa do tipo, continuaria achando a sua palavra como algo reto, o seu exemplo, sublime, para ser seguido. Aliás, se ao invés de ter sido entregue aos homens, tivesse continuado peregrinando fazendo grandes obras, grandes ensinamentos, teria sido mais útil não? Esta resposta, hoje eu a compreendo, e digo que só consegui verdadeiramente compreender quando a compreendi no espírito, ministrado pelo Espírito Santo. Ele teve que padecer para que Deus não passasse por cima dos seus princípios, não deixasse de ser justo. Para Deus ser justo, era simples. Errou, pecou, transgrediu a lei, irás para o inferno. Foi justo, vai para o lado do Pai. Isso chama-se justiça, como consequência do livre arbítrio. 

Qual o julgamento? Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más. Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem arguidas as suas obras. Por isso o julgamento contra a igreja evangélica, cujo julgamento é que são homens que querem julgar outros homens bancando santos. Não, mais do que isso, reconhecerem nesta palavra a verdade, que é viva e eficaz, e resolveram praticar a verdade que nos aproxima da luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas por Deus e não por homens!

Esse Deus já se preocupou com o que você muitas vezes se preocupa. Glórias a Deus por isso. Deus não queria e não quer que sua criação padeça eternamente! Não porque depende dela, mas porque a ama. Então resolveu ser misericordioso. Glórias a Jesus por isso, porque sua misericórdia está acima de sua justiça…. por enquanto…

Deus amou assim o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna! Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem nele crê não é julgado, o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. (Isso respondeu uma pergunta que ficou ou que virá?)

E a Bíblia nos relata como foi isso para Jesus, pois diz que Ele, antes de nascer, já existia, e existia em forma de Deus, porém não julgou como usurpação ser igual a Deus (apesar de ser), porém, antes de tudo, a si mesmo esvaziou, esvaziou o que tinha de mais precioso, e assumiu a forma de servo, tornando-se em semelhança aos homens, e reconhecido em figura humana, mas não um homem como nós, pois foi concebido através do Espírito Santo, e não através de Maria ou José, Maria foi só o evólucro carnal para Jesus entrar neste mundo pela porta. E a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente ao Pai até a morte, e morte de cruz. Ele foi perfeito, foi o cordeiro puro e imaculado, que se ofereceu como sacrifício vivo pelos nossos pecados.

Outro princípio estabelecido era de que poderiam ser oferecidos um cordeiro puro, sem manchas, em holocausto a Deus, para purificação dos pecados dos homens. Deus continuou respeitando os seus princípios, e mandou a si mesmo como o Cordeiro dos cordeiros, puro, sem maculas, para sobre si mesmo, recair todos os pecados do mundo, e quando isto aconteceu, Jesus viu a maior dor que o mundo já viu, que foi o Pai lhe virar as costas, onde clamou, Pai, por que me abandonastes? 

Porém este mesmo Deus e Pai também o exaltou sobremaneira, e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho, nos céus, na terra, e embaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.

Querido, quer viver a justiça, seja justo nesta terra. Seja o primeiro justo nesta terra, porque jamais houve, e torço para que nunca tenha errado ou pecado, porque esta é a sua única chance. Mas se quer viver a misericórdia de Deus, participe da justiça que deve ser aplicada por intermédio de Jesus Cristo, seja justificado pelo seu sangue que foi derramado no Calvário a meu favor e a seu favor. Isto é gratuito (para nós), pois foi realizado não por merecimento, mas por graça do único Deus, mediante a fé dos homens.

Queridos, a bíblia nos garante que mesmo que formos infiéis a Deus, ele continua sendo Fiel, porque não pode negar a si mesmo. Ou seja, Ele não pode negar esta palavra, não pode negar esta justificação, não pode te negar os céus, e nem pode te negar a vida. A nova escolha, está disponível a ti através desta boa nova. A sua primeira escolhe já fizera desde que se entende por gente, pecar e morrer. Mas hoje pode escolher receber a sua justificação em Cristo Jesus mediante a fé, e então ser justo. E então olhar para o Pai, e o Pai olhar de volta com olhos de justiça, e versa justiça não só na eternidade, mas nas suas causas onde tem tido peleja.

Está sendo injustiçado, humilhado, ferido, maltratado? Justifique-se em Cristo, e permita ver a maravilhosa justiça  de Deus sendo operada em seu favor. Ela não tarda, e não falha, e na hora certa, o júbilo e a emoção não caberão em seu peito, porque Deus é o mesmo Deus, e sempre o será, em nome de Jesus.

 Ricardo de Magalhães Cruz ( 30 de junho de 2009 )
ricardo.dmc@gmail.com

Anúncios

Um comentário sobre “A injusta justiça de Deus

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s